domingo, 11 de julho de 2010

Espanha vence Holanda na prorrogação e conquista inédito título mundial

Sofrido, dramático. Este foi o resumo do primeiro título mundial da história da Espanha, conquistado neste domingo, no Soccer City, em Joanesburgo. A fúria bateu a Holanda, com um gol de Iniesta no segundo tempo da prorrogação e pela primeira vez conquista a Copa do Mundo.

A Espanha entrou em campo com a mesma formação que tinha vencido a Alemanha nas semifinais. Pedro continuava como titular, com isso Villa, centralizado, não conseguia muita mobilidade, embolado nos zagueiros holandeses. A Holanda entrou com força máxima. Os espanhóis começaram melhor a partida, como sempre tocando a bola esperando uma brecha na defesa adversária. Tendo mais posse de bola, como gosta, teve a primeira chance, numa cabeçada de Sérgio Ramos. O lateral-direito da fúria ainda teve mais uma oportunidade de abrir o marcador, num chute cruzado, que a zaga holandesa cortou. Villa tambem teve sua chance, acertou a rede, mas pelo lado de fora. Somente aos 34 minutos, num lance que era para ser de "fair play" por parte da Holanda, já que a Espanha havia botado a bola para fora para atentidemento de um jogador, o zagueiro Heitinga devolveu a bola para o goleiro Casillas. Mas a "Jobunali" foi em direção ao gol, obrigando o goleiro espanhol a tocar para escanteio, para a vaia dos torcedores. Com a fúria melhor em quase o primeiro tempo, os holandeses conseguiram equilibrar as ações nos dez minutos finais da primeira etapa, que teve a chance mais clara num chute de Robben aos 45 minutos, que Casillas salvou. O primeiro tempo foi marcado por jogadas duras e entradas fortes, proporcionando vários cartões amarelos, e pela marcação da saída de bola de ambas as equipes, justificando erros de passe e poucas chances de gol.

No segundo tempo, a Espanha retomou o domínio da partida e pressionava. Aos 2 minutos, Capdevilla furou na pequena área, perdendo boa chance. Xavi também perdeu oportunidade, numa cobrança de falta que passou rente ao travessão. Vicente Del Bosque fez a primeira substituição aos 15 minutos, sacando Pedro e botando Jesus Navas. Porém, foi a Holanda que teve a melhor chance de marcar. Sneijder, até então sumido na partida, acertou belo lançamento, colocando Robben na cara de Casillas. O holandês tirou do arqueiro, só que não contava com o pé do espanhol, que salvou o gol. A Espanha também desperdiçou. Navas cruzou da direita, Heitinga furou, a bola sobrou para Villa, mas o zagueirão holandês se recuperou e evitou. A Espanha controlava o jogo a partir dos 15 minutos finais de partida. Sérgio Ramos cabeceou para fora boa oportunidade. Mesmo com o domínio maior por parte dos espanhóis, Robbend perdeu mais uma chance de ouro, aos 38 minutos, onde tentou driblar Casillas, mas o goleiro da fúria tomou a bola do atacante holnadês e evitou o gol. Nos minutos finais do tempo normal, ambas as equipes não quiseram se arricar e esperaram a prorrogação.

No início da prorrogação, o panorama não mudou, com as duas seleções desperdiçando gols. Fábregas, pelo lado dos espanhóis, recebeu na frente do gol para a defesa de Stekelenburg. Heitinga, pelo lado dos holandeses, cabeceou por cima da trave, assustando Casillas. Iniesta e Navas também desperdiçaram. A Espanha continuava melhor, mas o jogo era franco e aberto. Ambos os técnicos mudaram. Marwijk pôs Van der Vaart e Braafheid nos lugares de De Jong e Van Bronckhorst, deixando a Holanda com quase cinco atacantes. Del Bosque trocou Villa por Torres, botando um atacante com mais características de área. Para atrapalhar os planos do treinador holandês, Heitinga foi expulso depois de cometer falta em Iniesta. Assim, a Holanda não suportou e acabou tomando o gol aos 10 minutos do segundo tempo da prorrogação. Torres tentou lançamento para Iniesta, a zaga holandesa conseguiu cortar. No rebote do lance, Fábregas achou o mesmo Iniesta livre na grande área, que pegou de primeira, fazendo o gol do primeiro título mundial da seleção espanhola.

Com muito drama, num jogão de bola, disputado e muito difícil, a Espanha enfim conquista pela primeira vez a Copa do Mundo. Casillas ergueu a taça do mundo para toda a nação espanhola, que de uma vez por todas ganha respeito, tirando o estigma de "seleção do quase", numa geração de jogadores com muita qualidade, representada pelos gols de Villa, a inteligência de Iniesta, Xavi e Xabi Alonso, a raça de Puyol e a segurança do capitão Casillas, que podem dar ainda muitas alegrias ao torcedor espanhol, que agora pode dizer que têm uma estrela no seu escudo. Parabéns à Espanha, pelo merecidíssimo título.

8 comentários:

  1. Torci para a Espanha levar a Copa, com a esperança de que prevalesça o futebol bem jogado. A Holanda deu uma aula de como não se jogar futebol, só bateu. Seria triste demais ver um time jogando assim campeão.
    E como joga a Espanha! Parabéns à Fúria!

    ResponderExcluir
  2. Fala, cara!

    Achei a Espanha tão superior que, ao menos pra mim, o único mata-mata onde ela realmente esteve na iminência de perder foi contra o Paraguai, ali sim houve sérios riscos, foi o pior jogo espanhol na Copa, nem na derrota pra Suíça o time foi mal.

    Massacou Portugal e Alemanha. Contra a Holanda não foi tão intenso, e correu mais riscos do que nessas duas partidas (Casillas monstro), mas fez justiça a quem realmente se preparou para ganhar a Copa, e não é um trabalho de agora, e sim de anos, começando desde sub-17 até time principal.


    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Cara eles mereceram, mostraram o melhor futebol apesar do começo ruim, e pra Holanda faltou aquela sorte que vinham tendo e desta vez om arbitro não ajudou.

    ResponderExcluir
  4. Conquista mais que merecida pela campanha feita. Quando começou perdendo para a Suíça achei que iria amarelar de novo, mas a reação foi impressionante e agora é aplaudir de pé.

    Parabéns a Espanha pelo primeiro mundial de sua história.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Faaaala Gabriel. Blz? Após 4 dias sem internet, voltei.

    Gostei muito de ver o jogo. Foi tenso, brigado, mas foi muito bom.
    Já acreditava que acontecesse isso, pois a Espanha está em crise e o título seria muito bom para amenizá-la.

    Abraços e Saudações Vascaínas !!!

    Carlos Vascaíno.

    ResponderExcluir
  6. Foi a melhor equipe, acho que a Alemanha no minímo deveria está na final,mas o futebol é assim. Viva a Espanha!!

    Abraço!!!

    http://ofuteboleoscariocas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. O futebol é um esporte fantástico nenhuma modalidade esportiva passa a mesma emoção para a sua torcida, não existe palavras para explicar a sensação que um torcedor sente ao ver um chute certeiro estufar a rede adversaria em uma final de campeonato.

    ResponderExcluir
  8. Com certeza o futebol é o esporte que os brasileiros são mais apaixonados, a paixão vem do berço com o incentivo principalmente da parte do pai, que normalmente acaba influenciando o filho a torcer para o time do coração dele. Isso faz com que a criança cresça com a vontade de assistir cada jogo do seu então time do coração e torcer para que a rede do adversário balance várias vezes.

    ResponderExcluir

Sejam todos bem-vindos ao Futebol Na Veia. Aqui, todos são livres para expor suas opiniões, independentemente qual seja ela, desde que elas sejam feitas com coerência e passividade. Os comentários não são moderados, então pedimos o bom senso de todos. Fiquem a vontade para comentar. Muito obrigado e voltem sempre!