domingo, 31 de julho de 2011

O fechamento da 13ª rodada que animou o Brasileirão

Depois de três partidas no sábado, mais sete jogos fecharam a 13ª rodada do Campeonato Brasileiro. E esta rodada de domingo deu uma emoção a mais e animou de vez o Brasileirão, que já estava disputado e interessante, e agora ganha aperitivos a mais.

E parte disso se deve a vitória do Avaí em cima do líder Corinthians, que foi até a Ressacada e acabou derrotado. A partida começou tipicamete como as duas equipes se apresentavam na tabela de classificação: com o domínio quase total do Corinthians no campo de ataque, diante de um Avaí muito desorganizado. E o gol saiu aos 30 minutos, com Emerson. Porém, o time da casa ressurgiu das cinzas na segunda etapa. Logo no início, William empatou o jogo para o leão, que, na base da vontade e empurrado pela torcida, virou com Rafael Coelho, aproveitando contra-ataque. O timão tentou ir pra cima, mas encontrou um Avaí bem mais organizado do que no primeiro tempo, e acabou tomando o terceiro gol, novamente com Rafael Coelho. No fim, Jorge Henrique ainda diminuiu o marcador, mas não deu tempo para o timão correr atrás do empate. Resultado que ainda deixa o Corinthians líder, só que agora com apenas um ponto a frente do vice-líder Flamengo, e vê os adversário da frente chegarem mais perto. O Avaí ganha uma sobrevida na competição, chega a 10 pontos e a 18ª colocação, ainda na zona de rebaixamento, mas agora com um gás a mais. A vitória do leão também deixa o Brasileirão com um tempero a mais na briga pela ponta da tabela.

Quem soube aproveitar o tropeço do ainda líder Corinthians foi o Vasco, que foi até o Morumbi e venceu o São Paulo, derrotando um adversário direto e ainda chegando mais perto do timão. Porém, a primeira etapa não foi nada fácil para o time carioca, que viu os donos da casa partirem pra cima, controlarem a posse de bola e criarem as melhores oportunidades de gol. Dagoberto e Piris chegaram perto de marcar. O cruzmaltino se livrava da bola e não conseguia armar jogadas, se limitando em marcar o tricolor, que tomou conta do jogo. Mas, no segundo tempo, o Vasco voltou melhor postado dentro de campo, apertou a marcação no meio-de-campo e na defesa e conseguiu ter a bola e criar as jogadas de gol. O predomínio ainda era são-paulino, mas os visitantes se aproveitaram dos contra-ataques para vencerem a partida. O primeiro deles, Diego Souza deu belo passe para Eder Luis encher o pé e abrir o placar. Depois do gol, Adílson Batista mexeu na equipe, mas o São Paulo parou de criar, esbarrando nos próprios erros e na fortíssima marcação dos vascaínos, que souberam cozinhar muito bem o jogo e mataram a fatura novamente em um contra-ataque. Depois da boa trama no ataque, Felipe completou e deu números finais a partida, que deixa o Vasco a quarto pontos do timão. Já o São Paulo cai para o terceiro lugar, não conseguindo ser regular dentro de casa.

No Engenhão, o Fluminense, depois de uma primeira etapa ruim, conseguiu se recuperar no segundo tempo e goleou o Ceará. Depois de ver o vovô dominar o inicio de jogo, com maior posse de bola e algumas chegadas a frente, o Flu, mesmo jogando mal, marcou aos 35 minutos. Depois de levamentamento na área, Fred se antecipou e marcou de cabeça o primeiro do tricolor e seu primeiro gol no Brasileirão. Ainda no primeiro tempo, Heleno foi expulso e deixou os cearenses com 10. Coisa que só facilitou a vida dos donos da casa na segunda etapa, que se aproveitaram da vantagem numérica dentro de campo para golear o adversário. Logo no início, Carlinhos fez bela jogada do lado esquerdo e cruzou para Souza completar para o gol. Vágner Mancini mexeu na equipe, temendo uma goleada, que realmente se concretizou. Aos 18 minutos, Rafael Sóbis tabelou com Fred, marcou o terceiro e seu primeiro gol com a camisa do Flu. Apesar de uma bola na trave de Osvaldo, o tricolor carioca era soberano na partida, e ainda aumentou o placar com gol de Rafael Moura. O Flu ainda tentou fazer o quinto, mas o resultado já estava de ótima tamanho. O Fluminense agora é o oitavo colocado, com 18 pontos, mesmo número do Ceará, que é o décimo. O tricolor de Abel Braga deu o ar de sua graça.

No Beira-Rio, o Internacional pressionou bastante, mas não conseguiu furar o bloqueio defensivo do Atlético-GO e ficou no empate. Desde a primeira etapa, o colorado já era melhor na partida, tendo mais posse de bola, mas não criando muitas chances, devido a boa marcação dos goaianos, que também não aproveitavam os contra-golpes. No segundo tempo, o panorama não mudou muito. O Inter continuou em cima dos visitantes, que seguravam bem as investidas dos donos da casa com um forte esquema de marcação, que deixavam os gaúchos restritos aos toques de bola na tentativa de chegar a frente. Assim, o jogo não poderia se encaminhar para outro resultado a não ser um 0 a 0. Com o empate, o Internacional segue com sua instabilidade no Brasileirão, e deixa o pelotão de frente escapar. Já o dragão segue sua saga para se afastar do Z-4. Na Arena do Jacaré, o Coritiba venceu bem o América-MG, conquistou sua primeira vitória longe de casa e afundou ainda mais o clube mineiro, que agora ocupa a lanterna do Campeonato Brasileiro. Sendo superior dentro de campo em quase toda a partida, o coxa não bobeou e logo abriu 2 a 0, com gols de Marcos Aurélio e Bill. Na segunda etapa, o Coelho até diminuiu com Kempes, mas Marcos Aurélio fez mais um e definiu a vitória, que deixou os paranaenses com 17 pontos, na 11ª colocação. O América-MG cai para a última colocação.

Na Arena da Baixada, o Atlético-PR venceu o Santos e, depois de muito tempo, deixou a lanterna do Brasileirão. Diante de um gramado bastante encharcado, o furacão se impôs no começo de partida e abriu o placar com um golaço de Cleber Santana. Em seguida, Manoel ampliou, num início arrasador. Depois dos dois gol, porém, o time a casa se retraiu e chamou o time santista, que diminuiu ainda na primeira etapa, com um belo gol de Neymar. No segundo tempo, o panorama continuou com o peixe atacando em busca do empate, e o Atlético-PR esperando os contra-ataques. E o Santos conseguiu o empate, com Borges. Os visitantes permaneceram no campo de ataque, com uma postura mais ofensiva que o adversário. Só que foi o furacão, que, empurrado pela sua torcida, fez o gol da vitória aos 46 minutos, com Marcinho. Gol que tirou o time paranaense da última colocação. Já o peixe permanece no Z-4, ainda tentando se achar neste Brasileiro. Pra fechar, em Pituaçu, o Bahia venceu sua primeira partida dentro de casa, se afastou da degola e deixou o Figueirense em alerta. Depois de um primeiro tempo bastante truncado, o primeiro gol baiano só foi sair no finalzinho da etapa, com Reinaldo. No segunda tempo, Ávine ampliou. Depois da pressão catarinense, Wellington conseguiu diminuir. Só que Jones decretou o trinfo tricolor, que chega aos 15 pontos. O Figueira tem 16, e já começa a se preocupar com a grande decaída dentro da competição.

Flamengo, Botafogo e Palmeiras largam na frente na 13ª rodada do Brasileirão

Neste sábado tivemos a abertura da 13ª do Campeonato Brasileiro com três partidas. E as equipes que se encontram mais na parte de cima da tabela venceram. Flamengo, Botafogo e Palmeiras venceram suas partidas contra Grêmio, Cruzeiro e Atlético-MG, respectivamente, e permanecem nas primeiras colocações.

Começamos falando do jogo no Engenhão, onde o Flamengo venceu o Grêmio e subiu para a segunda colocação na classificação. Com mais uma bela atuação de seus homens de armação (Thiago Neves e Ronaldinho Gáucho, os autores dos dois gols do triunfo rubro-negro), o Fla encontrou dificuldades no início, viu o tricolor gaúcho se "assanhar" na partida, mas conseguiu o gol aos 27 minutos e soube controlar melhor o duelo. Na segunda etapa, o panorama não mudou muito, com Ronaldinho sendo o principal destaque do time carioca, e o Grêmio tentando ser mais rápido na frente, mas esbarrando na forte marcação dos volantes flamenguistas. Ambos os treinadores mexeram, mas foi Ronaldinho quem marcou o segundo gol, depois de falha do goleiro Victor, e matou a partida, garantindo mais um triunfo rubro-negro na competição, que continua invicto e seguindo o líder Corinthians. R10 voltou a ser destaque, sendo o maestro do meio-campo carioca. Já o Grêmio continua em uma situação complicada, correndo o risco de até cair para a zona de rebaixamento no término desta rodada. Mesmo com os reforços que chegaram, parece que a equipe gremista não consegue se encaixar, e se mantém muito irregular dentro deste Brasileirão.

Na Arena do Jacaré, o Botafogo obteve sua segunda vitória seguida. O alvinegro carioca contou com a volta de Loco Abreu a equipe e, desta vez, derrotou o Cruzeiro fora de casa e permanece no pelotão de frente da tabela, ainda em busca do G-4. Depois de um bom início do time da casa na partida, o fogão controlou o jogo, ficou mais com a bola e, imprimindo velocidade com seus homens de frente no ataque, tentou assustar o Cruzeiro, mas sem muito sucesso. Na segunda etapa, Joel Santana colocou Roger em campo, tentando fazer o volume de jogo do time celeste aumentar. Só que foi o Botafogo quem abriu o placar. Aproveitando um contra-ataque, Loco Abreu acertou um belo chute de fora da área no canto de Fábio e voltou a marcar com a camisa do fogão depois do período fora do time. Joel voltou a mexer na equipe cruzeirense, que atacava o Botafogo, mas sem organização. Assim, o alvinegro carioca controlava a partida, esperando os contra-ataques para matar o jogo. Nos minutos finais, o Cruzeiro conseguiu pressionar bastante o fogão, que segurou bem as investidas mineiras e garantiu mais três pontos na classificação. Com mais uma vitória, a equipe fica na porta do G-4, depois de uma bela apresentação fora de casa. Já o Cruzeiro, depois de mais uma derrota, fica mais distante dos primeiros colocados. A irregularidade pode castigar a raposa na busca pela vaga na Libertadores da América.

E, no Canindé, o Palmeiras sofreu, mas venceu o Atlético-MG e continua dentro do G-4 e colado nos líderes. E o verdão contou com a estrela dos seus dois homens de criação para conseguir o triunfo. Marcos Assunção e Luan foram decisivos para a vitória palmeirense, que mantém a equipe na parte de cima da tabela. O alviverde conseguiu se livrar da forte marcação dos zagueiros do galo, que atrapalharam os ataques do time da casa, que abriu o placar no início de jogo, com um gol de falta de Marcos Assunção. Porém, Magno Alves empatou imediatamente para o galo, que, depois do gol, reforçou ainda mais sua marcação. Na segunda etapa, no entanto, o verdão foi para o ataque e Luan aproveitou jogada de Assunção e marcou o segundo, deixando o verdão novamente na frente do marcador. Dorival Júnior mexeu na equipe, o galo pressionou, mas foi o Palmeiras quem marcou novamente, com Patric. Jogo resolvido? Não para o Atlético-MG, que, assim como na primeira etapa, diminuiu o placar logo em seguida do gol alviverde. Wesley marcou e deu uma emoção a mais no jogo. Os mineiros pressionaram, mas não conseguiram o empate. Vitória que mantém o verdão na quarta colocação. O galo, depois de vitória no meio de semana, volta a se preocupar com a zona da degola, mas já mostra uma evolução.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

"Bolão Na Veia" - 13ª rodada

Neste final de semana teremos a realização de mais uma rodada do Campeonato Brasileiro. E, com ela, vem junto mais uma edição do "Bolão Na Veia", com a tentativa de acertar ou até mesmo "prever" os resultados deste Brasileirão tão maluco.

Na edição passada do nosso bolão, ou seja, na 12ª rodada, tivemos um baixo aproveitamento de apenas três resultados certos em nove partidas. Um desempenho muito baixo. E quem levou o "Bolão Na Veia" desta rodada, postando os palpites nos comentários, foi o Sr. Agnaldo, pai do nosso amigo Kaique Pedaes, do blog Net Esportes, que acertou cinco resultados. Parabéns a ele, e que continue postando seus palpites aqui no Futebol Na Veia.

Pois bem, amigos, 13ª rodada do Campeonato Brasileiro. Depois de uma rodada "maluca", teremos bons jogos neste final de semana, como Flamengo x Grêmio, Cruzeiro x Botafogo, Palmeiras x Atlético-MG, São Paulo x Vasco, entre outros. Então, vamos ao que interessa. Os palpites para a 13ª rodada do Brasileirão:

Sábado, 18h30, Engenhão - Flamengo 3x1 Grêmio
Sábado, 18h30, Arena do Jacaré - Cruzeiro 1x0 Botafogo
Sábado, 21h00, Canindé - Palmeiras 2x1 Atlético-MG
Domingo, 16h00, Morumbi - São Paulo 2x0 Vasco
Domingo, 16h00, Beira-Rio - Internacional 2x1 Atlético-GO
Domingo, 16h00, Ressacada - Avaí 0x2 Corinthians
Domingo, 16h00, Engenhão - Fluminense 1x0 Ceará
Domingo, 18h30, Arena da Baixada - Atlético-PR 1x2 Santos
Domingo, 18h30, Arena do Jacaré - América-MG 2x2 Coritiba
Domingo, 18h30, Pituaçu - Bahia 1x1 Figueirense

Amigos, fiquem a vontade para deixar seus palpites nos comentários!

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Análise da 12ª rodada do Campeonato Brasileiro

Nesta quarta e quinta-feira tivemos a realização de mais uma rodada do Campeonato Brasileiro. E os sete jogos que foram realizados na quarta-feira foram de muitas emoções e principalmente de muitos gols, coisa a se destacar num Brasileirão tão parelho e com uma baixa média de bolas na rede como este de 2011. Na quinta, mais duas partidas finalizaram a rodada.

A 12ª rodada foi aberta com quatro partidas. E tivemos dois Atléticos vencendo e se recuperando na tabela de classificação. O Mineiro, jogando em Ipatinga, contou com a estreia do atacante André (ex-Santos) para vencer o Fluminense e voltar a vencer neste Brasileirão. Num jogo bastante truncado e com poucas chances, coube a André marcar o único gol da partida. O galo consegue voltar a triunfar depois de duas derrotas consecutivas, fica com 14 pontos e dá uma respirada, aliviando também a pressão em cima do técnico Dorival Júnior. Já o Fluminense estaciona nos 15, e ambos permanecem no meio da tabela. O time carioca ainda tenta engrenar e conseguir uma boa sequência de jogos no comando de Abel Braga. Os reforços vieram, o elenco tem qualidade, mas falta demostrar isso dentro de campo. O outro Atlético, o Goianiense, também venceu dentro de casa e deixou da zona de rebaixamento. Com dois gols do veteranos atacante Felipe, o dragão bateu o Cruzeiro no Serra Dourada e chegou aos 12 pontos, ocupando a 15ª colocação. Os donos da casa souberam dominar o adversário na primeira etapa, seguraram a pressão no segundo tempo e conseguiram a vitória. O Cruzeiro, por sua vez, depois de derrotar o líder Corinthians no Pacaembu, sofre uma derrota que não era esperada, só provando a tese de que, neste Campeonato Brasileiro, jogo fácil não existe. A raposa ainda luta para se aproximar dos primeiros colocados, mas deixou de somar alguns pontos importantes.

No Engenhão, o Botafogo voltou a vencer depois de quatro partidas. Mesmo não jogando bem, o fogão bateu o Avaí por 2 a 1 e se mantém no pelotão de frente da tabela. Depois de sair atrás do marcador nos primeiros minutos de jogo, o time da estrela solitária conseguiu reagir e, ainda na primeira etapa, virou o placar. Maicossuel e Herrera marcaram os gols do triunfo, que alivia a pressão em cima da equipe e principalmente do treinador Caio Júnior, que até já estava especulado para deixar o comando do alvinegro. O Avaí, com a derrota, permanece na penúltima colocação, numa situação bastante complicada. O leão da ilha precisa urgentemente de reforços, pois possui um plantel fraco. No Olímpico, o Grêmio não soube se aproveitar da má fase do América-MG e apenas empatou. O argentino Miralles marcou seu primeiro gol com a camisa gremista e conseguiu igualar o placar depois do time mineiro sair na frente. Porém, o próprio atacante acabou sendo expulso, complicando a vida da equipe gaúcha, que naquela altura buscava a virada. Com o empate, o tricolor mantém sua má fase, permanencendo na parte debaixo da tabela, em 14º lugar. Um dos fatores que vem prejudicando o Grêmio neste Brasileirão são as partidas dentro de casa. Antes um grande triunfo, o Olímpico só presenciou até aqui duas vitória do time em seis jogos em casa. Muito pouco. Já o América-MG segue na zona de rebaixamento, na 18ª colocação.

Mais tarde, mais três partidas finalizaram a quarta-feira do Brasileirão. No Orlando Scarpelli, o Palmeiras conseguiu sua primeira vitória fora de casa neste Campeonato Brasileiro e fez o Figueirense continuar caindo na tabela. Felipão promoveu algumas mudanças no ataque da equipe alviverde, que acertou duas bolas na trave durante o jogo e até marcou um gol, mas este foi anulado. O Figueira até criava jogadas, mas não chegava a assustar o gol de Deola. O gol só poderia vir de uma bola parada, com Marcos Assunção, onde o goleiro Wilson espalmou, a bola tocou em Maurício Ramos e entrou. Vitória que deixou o verdão na quarta colocação. Já o Figueirense, depois de iniciar muito bem o Brasileirão, agora despencando na tabela. No Couta Pereira, o São Paulo venceu o Coritiba e manteve a segunda colocação, seguindo na caçada ao Corinthians. No primeiro tempo, o tricolor soube aproveitar as chances que criou abriu 3 a 0, com gols de Carlinhos Paraíba, Juan e Dagoberto. Na segunda etapa, Lucas deixou sua marca com um golaço por cobertura. Mas os paulistas relaxaram e permitiram a reação do coxa, que marcou com Rafinha e Bill (duas vezes), diminuindo a vantagem são-paulina para apenas um gol, mas não conseguiu igualar o marcador. Mesmo no sufoco, o São Paulo consegue uma importante vitória fora de casa. Mostrando um futebol rápido e envolvente na frente, o tricolor de Adílson Batista (que consegue sua primeira vitória a frente da equipe) se recupera depois de empatar dentro de casa. Já o Coritiba continua bastante irregular dentro da competição, e segue no meio da tabela.

E, para fechar os jogos da quarta, deixamos o jogo mais impressionante não só desta rodada do Brasileirão, mas de todo o campeonato e também do ano no Brasil. Santos e Flamengo protagonizaram uma partida épica na Vila Belmiro, que com certeza entrará para a história do futebol nacional. Todos já esperavam uma partida muito boa, mas ninguém achava que seria como realmente foi. As estrelas das duas equipes foram também os grandes destaques do jogo. Porém, no começo de partida, parecia que só o Santos havia entrado em campo. Logo de cara, a equipe de casa abriu 3 a 0, com dois gols de Borges e um golaço de Neymar, que costurou toda a defesa rubro-negra. No entanto, rapidamente, o time carioca reagiu, se aproveitando da grande fragilidade encontrada na defesa santista. Ronaldinho Gaúcho e Thiago Neves diminuíram o marcador para 3 a 2. Mas não era só a defesa do peixe que estava falha. A zaga flamenguista também estava numa noite muito ruim. Tanto é que cometeu penalidade máxima em cima de Neymar. Elano foi para a cobrança mas, tentando enganar o goleiro Felipe numa cavadinha, acabou por "recuar" a bola para o arqueiro, que ainda tirou uma onda com embaixadinhas. Para piorar as coisas para o Santos, no lance seguinte, Deivid (que havia perdido um gol incrível a poucos instantes) fez de cabeça e igualou o placar. Tudo isso somente no primeiro tempo.

A emoção e a disputa pela vitória não ficou restrita apenas ao primeiro tempo. A segunda etapa ainda reservaria mais. Logo no começo, Neymar recebeu passe dentro da área, ganhou a disputa com David Braz e marcou o quarto do peixe. Mas, errando muitos passes no meio-de-campo, o Santos não conseguiu segurar o resultado e acabou sofrendo a virada. E o responsável foi o craque do outro lado. Ronaldinho Gaúcho, primeiramente cobrando uma falta digna de um camisa 10, enganou a defesa santista e o goleiro Rafael e empatou o jogo novamente. E, mais tarde, numa recuperação de bola no meio, Thiago Neves rolou para Ronaldinho, sozinho, entrar na área e tocar com categoria, marcando o 5 a 4 no placar para o rubro-negro carioca, que soube segurar as investidas dos donos da casa e assegurou mais uma vitória no Brasileirão, que mantém a equipe na terceira colocação. Já o Santos ainda tenta se encontrar no campeonato, agora com a equipe completa. O que se foi visto no jogo da Vila Belmiro foram dois ataques bastante criativos, e que, além de contar com os atacantes e com os meias, contava também com os volantes que participavam ativamente das jogadas ofensivas, além da insesante busca pelo gol e dos talentos individuais. Estes três fatores valem para os dois times. Porém, a fragilidade defensiva também de ambos proporcionou um jogo bem aberto e, consequentemente, de muitos gols. Não é todo dia que podemos ver uma partida como esta. Mas a esperança é de que tenhamos jogos parecidos com este no Brasileirão, para dar um glamour a mais a essa tão disputada, emocionante e imprevisível competição.

Na quinta-feira, tivemos mais duas partidas que encerraram esta 12ª rodada do Brasileirão. Em São Januário, o Vasco sofreu bastante para empatar com o Bahia. O time da casa, que entrou em campo com uma formação mais ofensiva, encontrou muitas dificuldades desde o princípio de jogo. Tanto é que, em um contra-ataque logo aos quatro minutos, levou o gol. Reinaldo completou a jogada baiana, que começou do lado esquerdo e ainda passou por Souza. A partir daí, o Vasco foi com tudo pra cima dos visitantes, que contaram com um inspirado Marcelo Lomba para segurar a vitória parcial. Na segunda etapa, o ritmo vascaíno diminuiu um pouco, mas a busca pelo gol de empate continuou. Ricardo Gomes mexeu na equipe tentando um algo a mais para igualar o marcador. E, em duas das suas investidas, lançou Élton na vaga de Alecssandro e Bernardo no lugar de Diego Souza. E foram os próprios suplentes cruzmaltinos que acabaram por empatar o duelo aos 49 minutos. Depois de bola alçada na área por Juninho Pernambucano e da confusão dentro da área, Bernardo escorou de cabeça e Élton completou para o gol, tirando o time da Colina do sufoco e marcando depois de muita pressão por parte dos donos da casa. Mas, mesmo assim, o empate foi ruim para o Vasco, que agora ocupa a quinta colocação, e vê os principais rivais da parte de cima da tabela se distanciarem um pouco. Já o Bahia está na 16ª colocação, ainda beirando a zona da degola.

Pra fechar este longo post, o Ceará saiu atrás, mas conseguiu reverter o placar e venceu o Atlético-PR no estádio Presidente Vargas. No primeiro tempo, o furacão, mesmo jogando fora de seus domínios, conseguiu ser mais eficiente que seu adversário e saiu na frente, com gol de Madson. Os cearenses pressionaram, mas não obteram o empate. Na volta para a segunda etapa, o técnio Vágner Mancini promoveu mudanças no Ceará, que passou a frequentar ainda mais o campo de ataque do furacão, que apostava nos contra-ataques e nos seus velozes homens de frente para matar o jogo. Só que o time da casa encontrou forças para virar o marcador. E os dois gols vieram já no final de partida, e com um jogador que veio do banco de reservas: Marcelo Nicácio entrou na vaga de Washington e marcou aos 38 e aos 46 minutos, dando a vitória ao vozão, que com o resultado ocupa a nona colocação. Já o Atlético-PR permanece na lanterna do Brasileirão, com apenas cinco pontos ganhos.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

"Curtinhas lamentáveis" e "Bolão Na Veia" - 12ª rodada

Uma saudação especial aos amigos, parceiros e visitantes do Blog Futebol Na Veia. Neste início de semana, tivemos alguns acontecimentos dentro do futebol nacional e internacional que ganharam destaque. E, como o tempo está bastante curto, nada melhor que fazermos uma edição de "Curtinhas", e já emendamos mais um "Bolão Na Veia", destacando os jogos da 12ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Vamos começar então com as Curtinhas. Dentre estes destaques que foram noticiados neste início de semana, citarei dois episódios, e infelizmente ambos são lamentáveis:

- Primeiramente, o fato que ocorreu na partida entre Sport x Vasco, pela Taça BH de Futebol Júnior. A atitude do goleiro Gustavo, do time pernambucano, que acertou uma voadora sem motivos no meia vascaíno Elivelton, é de uma grosseria sem tamanho. Tudo bem, levamos em consideração que se trata de um atleta ainda muito jovem, que não está com sua "mentalidade futebolística" totalmente formada. No entanto, um jogador que deseja se tornar profissional um dia (coisa que acredito que ele queira), não pode se deixar levar pela emoção e protagonizar uma atitude como esta, colocando a vida de um colega de profissão em risco. Felizmente Elivelton não sofreu nenhuma lesão mais séria e poderá voltar a jogar futebol, mas ele acabou correndo um risco desnecessário, por um ato impensável de seu adversário. Gustavo acabou sendo dispensado pelo Sport, e poderá até ser indiciado por homicídio. Apesar do erro que cometeu, o goleiro deve passar por algum acompanhamento psicológico, pois ele já ficou marcado antes de se profissionalizar. Só temos que lamentar este episódio, e esperamos que fatos como estes não voltem mais a acontecer, e que Gustavo consiga colocar sua cabeça no lugar, para quem sabe um dia voltar a ser destaque no futebol nacional, mas de outra maneira: jogando futebol como deve se jogar.

- E, se tivemos um fato a se lamentar dentro do futebol nacional, a mesma história acontece com nossos vizinhos hermanos, que parecem querer se "espelhar" nos brasileiros. Na última segunda-feira, a AFA, entidade maior do futebol argentino, fez uma proposta aos clubes da primeira e da segunda divisão do país, querendo unificar as duas ligas em uma só a partir da temporada que vem, fazendo assim um Campeonato Argentino da primeira divisão com 40 equipes. E o pior é que, pelo que tudo indica, os clubes irão acatar esta decisão. O futebol argentino vive um dos momentos mais complicados e conturbados de sua história, com um campeonato muito fraco tecnicamente, com equipes sofríveis e clubes falidos, e com os grandes e tradicionais times nacionais a beira de rebaixamentos. Um exemplo é o River Plate, rebaixado na temporada passada, rebaixamento este que seria "anulado", se a decisão de unificar os campeonatos da 1ª e 2ª divisões for aceita definitivamente. Convenhamos, a unificação das duas ligas iria baixar ainda mais o nível do campeonato, ficando a beira de uma várzea. E, com os clubes falidos, mais jogos, mais calendário e mais gastos. Será que a virada de mesa, já vista aqui no Brasil em diversas oportunidades, irá migrar também para os nossos hermanos argentinos? Esperamos que não.

E, pra finalizar, vamos a mais uma edição do "Bolão Na Veia". Chegamos a 12ª rodada do Campeonato Brasileiro neste meio de semana, e com ela vem a nossa tentativa de acertar pelo menos alguns palpites. Nem precisamos dizer que cada rodada deste Brasileirão tão disputado e tão "maluco" é decisiva para cada equipe, então, qualquer que seja a partida, está valendo muito. E, como esta semana o tempo está bastante curto, escrever fica difícil, mas não deixaria de postar os já tradicionais palpites para os jogos de mais uma rodada do Campeonato Brasileiro. E, como não há tempo a perder, não vamos enrolar muito. Abaixo os palpites para a 12ª rodada do Brasileirão:

Quarta-feira, 19h30, Engenhão - Botafogo 2x1 Avaí
Quarta-feira, 19h30, Olímpico- Grêmio 3x1 América-MG
Quarta-feira, 19h30, Ipatingão - Atlético-MG 0x1 Fluminense
Quarta-feira, 19h30, Serra Dourada - Atlético-GO 1x2 Cruzeiro
Quarta-feira, 21h50, Vila Belmiro - Santos 1x1 Flamengo
Quarta-feira, 21h50, Orlando Scarpelli - Figueirense 0x1 Palmeiras
Quarta-feira, 21h50, Couto Pereira - Coritiba 2x2 São Paulo
Quarta-feira, 19h30, São Januário - Vasco 2x0 Bahia
Quarta-feira, 21h00, Presidente Vargas - Ceará 3x2 Atlético-PR

Palpitem nos comentários, amigos!

domingo, 24 de julho de 2011

A rodada de domingo do Campeonato Brasileiro e Uruguai campeão da Copa América

Neste domingo tivemos o complemento da 11ª rodada do Campeonato Brasileiro. Complemento entre aspas, porque ainda teremos a partida entre Grêmio x Santos, que acontecerá só em outubro. Tivemos a realização de quatro partias neste domingo. Em Pituaçu, Bahia e Coritiba se enfrentaram. As duas equipes criaram muitas oportunidades de gol, mas não conseguiram tirar o 0 a 0 do placar. Desde a primeira etapa, ambos os times criaram muitas chances, mas esbarraram em um idêntico problema: a falta de pontaria na frente. No segundo tempo, o coxa teve um jogador expulso, mas, mesmo assim, o jogo seguiu equilibrado, e até com um pequeno prodomínio dos visitantes. E, a exemplo da primeira etapa, as oportunidades foram desperdiçadas. Já no final do jogo, o atacante Jóbson também foi expulso, o Bahia tentou uma pressão para chegar ao gol da vitória, mas não obteve êxito. O resultado manteve os baianos na 16ª colocação, com 11 pontos, ainda muito perto na zona de rebaixamento, enquanto o Coritiba cai para o 12ª lugar, com 14 pontos.

No Pacaembu, o líder Corinthians perdeu sua invencibilidade depois de 10 jogos. E quem foi o responsável por esta façanha foi o Cruzeiro. No início de partida, Joel Santana entrou em campo com uma equipe quase que totalmente defensiva. Marcando muito forte, a raposa conseguiu anular as principais armas do timão, que não conseguiu criar muitas chances de gol na primeira etapa. Pelo contrário, foi o Cruzeiro quem assustou em algumas oportunidades. Sem Liedson, o Corinthians não conseguia segurar a bola no ataque. Na segunda etapa, o ferrolho do time de Joel aumentou e continuou criando muitas dificuldades ao alvinegro, que começou a arriscar chutes seguidos de fora da área para tentar chegar ao gol. Sem força ofensiva, a equipe celeste conseguiu seu gol num lance que se originou num tiro de meta cobrado pelo goleiro Fábio. Depois da disputa de bola pelo alto, Wallyson ganhou a dividida com Danilo e acertou um lindo chute de longa distância e surpreendeu o goleiro Renan, que fazia sua estreia com a camisa corintiana. Assim, Tite mexeu no time, e partiu com tudo para o ataque. A entrada de Alex deixou o timão mais criativo no meio-de-campo. Porém, furar a defesa cruzeirense parecia impossível. Se aproveitano das investidas alvinegras, a raposa assustava nos contra-ataques. O timão ainda tentou com alguns chutes, mas não conseguiu o empate. Mesmo com a derrota, o Corinthians segue na liderança isolada do Brasileirão, com seis pontos de vantagem para o segundo colocado, São Paulo. Já o Cruzeiro pula para o sétimo lugar, com 18 pontos, ficando muito perto do G-4.

No estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, o Fluminense se recuperou da última derrota e venceu o Palmeiras. O jogo reuniu diversos atrativos dos dois lados. Pelo tricolor, Fred voltava da seleção e Rafael Sóbis fazia sua estreia. Pelo alviverde, Valdívia também voltava a equipe. Porém, todas estes destaques ficaram em segundo plano na primeira etapa, que foi caracterizada por um jogo com bastante disputas de bola e forte marcação de ambos os times. Assim, as chances de gol foram raras nos primeiros 45 minutos. As principais estrelas das respectivas equipes não apareceram, e prevaleceu o alto número de faltas e jogadas ríspidas. Na segunda etapa, porém, Abel Braga mudou a equipe. Colocou Ciro no jogo, que fez compania a Fred na frente. Assim, o Fluminense se transformou no dono da partida. Mas, mesmo com a maior posse de bola no campo ofensivo, as oportunidades de gol custavam a aparecer. O Palmeiras, que estava acuado, não conseguia sequer acertar seus contra-ataques. Aos 25 minutos, Marquinhos fez o gol tricolor, mas ele foi mal anulado pelo bandeira. Porém, quatro minutos depois, o mesmo Marquinhos marcou novamente. E esse valeu. Mariano cruzou da direita e o meia se antecipou a marcação e marcou de cabeça o primeiro gol do Flu. Na base da correria, o Palmeiras tentou chegar ao gol de empate. Mas, sem criação na frente, não conseguiu igualar o marcador. O triunfo levou o Fluminense a décima colocação, com 15 pontos. Já o Palmeiras cai para a quinta colocação, e permanece com 19 pontos.

Pra finalizar, no Ipatingão, o Vasco conseguiu sua terceira vitória consecutiva e entrou no G-4 do Brasileirão, e complicou ainda mais o Atlético-MG. Com os desfalques de Felipe e Juninho Pernambucano, o técnico Ricardo Gomes apostou nas entradas de Diego Souza e do estreiante Julinho no meio-de-campo vascaíno. E foram justamente os dois que foram os destaques do triunfo cruzmaltino. A partida começou muito truncada nas intermediárias, e com poucas chances reais de gol. Mas, aos 17 minutos, o Vasco abriu o placar. Julinho cobrou falta e Diego Souza desviou de cabeça, abrindo o placar em Ipatinga. Com a vitória parcial, o time carioca recuou e chamou o galo para o campo de ataque. E, de tanto tentar, a equipe da casa chegou ao gol de empate no finalzinho do primeiro tempo. Depois de jogada pelo meio, Daniel Carvalho eu um passe genial, que deixou Magno Alves na cara de Fernando Prass. O atacante tocou por baixo o arqueiro vascáino e deixou tudo igual no placar. Na segunda etapa, Dorival Júnior mudou o setor de criação do galo, e fez a equipe melhorar. O Vasco seguia apostando principalmente nas bolas alçadas na área atleticana. Tanto é que acertou duas bolas na trave com estas jogadas. A primeira com Rômulo, e depois com Alecssandro. O time visitante era melhor no jogo, quando Réver fez penalidade. Mas Alecssandro acabou desperdiçando a cobrança ficando no goleiro Giovanni. Depois disso, a partida ficou aberta e equilibrada. Mas foi o Vasco quem conseguiu o gol da vitória. Depois de contra-golpe, Leonardo Silva derrubou Bernardo dentro da área. Pênalti que desta vez não foi desperdiçado, com Diego Souza convertendo a cobrança. O cruzmaltino agora é o quarto colocado, com 20 pontos. Já o galo segue na parte debaixo da tabela, na 15ª colocação, com 11 pontos.

===============================================================

Outro destaque futebolístico que tivemos neste domingo foi sem dúvida a grande conquista do Uruguai, que faturou seu 15ª título da Copa América. Jogando contra o Paraguai, a celeste olímpica contou com a excelente atuação de seus dois principais jogadores de ataque para garantir a taça, no estádio Monumental de Nuñes. Desde o início de partida contra os paraguaios, o time uruguaio pressionou o adversário, buscou o gol a todo momento, e conseguiu aos 11 minutos. Suárez aproveitou sobra de bola, cortou o adversário e chutou sem chances para o goleiro Villar, abrindo o placar. O Paraguai até tentou equilibrar a partida, mas a força do Uruguai prevaleceu. Tanto é que a equipe ampliou no fim da primeira etapa. Aos 41 minutos, a estrela do time Forlán chutou forte e marcou o segundo, desencantando na competição justamente no dia da grande final. No segundo tempo, os paraguaios tentaram na base da vontade impor pressão pra cima do adversário, que conseguia controlar muito bem a partida. O time guarani ainda teve chances para pelo menos diminuir o marcador, mas foi a equipe celeste quem matou o jogo no final da partida, novamente com um gol de Diego Forlán. Apito final e festa uruguaia na Argentina, que, com a conquista do título, consegue a hegemonia em número de títulos dentro da Copa América, com 15 conquistas. Mostrando o melhor futebol dentro da competição, a seleção uruguaia vai reconquistando de vez seu posto no cenário mundial. Parabéns ao Uruguai.

sábado, 23 de julho de 2011

O sábado de Brasileirão

Neste sábado tivemos a abertura da 11ª rodada do Campeonato Brasileiro, com quatro partidas. Em Sete Lagoas, América-MG e Figueirense se enfrentaram na Arena do Jacaré. E não passaram e um empate sem gols. O começo da partida mostrou que os visitantes estavam dispostos a levarem os três ponto devolta pra casa. Mas, aos poucos, o coelho foi equilibrando as ações, e acabou sendo beneficiado com a expulsão do volante paraguaio Wilson Pittoni. Então, os donos da casa partiram pra cima na segunda etapa, tentaram o gol de todas as formas possíveis, mas não conseguiram furar a defesa dos catarinenses, que resistiram até o final e levarem um ponto. Com o empate, o América-MG segue na zona de rebaixamento, em 18º lugar, e o Figueira permanece tentando encostar novamente no pelotão de frente, já que não vence a quatro partidas, e agora ocupa a oitava colocação na tabela de classificação.

Na Arena da Baixada, o Atlético-PR finalmente conseguiu sua primeira vitória neste Brasileirão, depois de dez rodadas. E o furacão contou com um atacante uruguaio para desencantar na competição. Depois de um começo de primeira etapa bastante equilibrado, onde o Botafogo tentava atacar pelos lados, enquanto os donos da casa apostavam nos chutes de fora da área, o Atlético conseguiu abrir o placar aos 39 minutos, com Moro García, que fez o giro e bateu sem defesa para o goleiro Jeferson, depois de jogada de Kleberson. O próprio Morro teve a chance de ampliar, mas acertou a trave. Na segunda etapa, a partida continuou equilibrada, com o fogão tentava empatar e o furacão matar o jogo. E, aos 28 minutos, Morro García apareceu mais uma vez. Ele subiu com Jeferson e ganhou a dividida, marcando o segundo dos paranaenses. Aí os cariocas partiram com tudo para o ataque, na tentativa de pelo menos diminuírem o placar. E conseguiram com Alex, depois de jogada individual. No final de partida, o fogão pressionou bastante o adversário, mas não conseguiu igualar o macador. Festa da torcida atleticana, que finalmente pode comemorar seu primeiro triunfo neste Campeonato Brasileiro. O furacão segue na lanterna, mas pelo menos dá uma respirada na competição. Já o Botafogo perde sua segunda seguida, cai para a sétima colocação, e fica mais distante ainda dos primeiros colocados.

No Morumbi, na estreia do técnico Adílson Batista no comando do São Paulo, o tricolor paulista apenas ficou no empate contra o Atlético-GO. Mesmo com a estreia de um novo treinador, a equipe paulista não mudou sua forma de jogar dentro de campo. E conseguiu marcar seu primeiro gol logo aos 8 minutos da primeira etapa, com o zagueiro Rhodolfo, de cabeça. E, mesmo sofrendo o gol, o dragão seguiu muito recuado, com os cinco homens de meio que iniciou a partida. Com isso, o São Paulo encontrava muitas dificuldades para criar jogadas, esbarrando na forte marcação dos goianos, que, mesmo com só um atacante, conseguiu chegar ao empate. Em uma falha da defesa são-paulina, Bida fuzilou Rogério Ceni e empatou a partida, já no finalzinho o primeiro tempo. Na segunda etapa, porém, o tricolor voltou a frente do placar. Depois de cruzamento de Dagoberto, Rivaldo testou para o gol de Márcio, fazendo o segundo gol são-paulino. O gol fortaleceu ainda mais a equipe de casa, que continuou em cima, tentando ampliar o marcador. Desperdiçou diversas chances de gol, e acabou sendo castigado quando Anselmo, aos 24 minutos, empatou novamente para o Atlético-GO. Adílson Batista então colocou Fernandinho em campo, deixando o tricolor ainda mais ofensivo, tentando o gol da vitória. O São Paulo tentou, pressionou bastante, mas não conseguiu chegar ao gol. Com o empate, o tricolor perde a oportunidade de encostar no líder Corinthians, que joga neste domingo. Já o Atlético-GO segue na zona de rebaixamento, mas comemora a igualdade obtida fora de casa.

Em Macaé, o Flamengo, sem seus dois principais jogadores (Thiago Neves e Ronaldinho Gaúcho, ambos suspensos), não conseguiu passar de um empate diante do Ceará. Única equipe que conseguiu derrotar o rubro-negro neste ano, o time cearense conseguiu levar um empate para casa já no final da segunda etapa. O jogo começou com o Flamengo pressionando o adversário. Mas o time carioca encontrava dificuldades em acertar seu último passe. O Ceará, por sua vez, seguia recuado, apostando nos contra-ataques e tentando aproveitar as falhas da defesa rubro-negra. Mas foi o Fla mesmo quem a abriu o placar. Aos 32 minutos, Júnior César cruzou do lado esquerdo e Renato, de perna direita, emendou um belo chute, abrindo o placar no estádio Cláudio Moacyr, deixando o time da casa mais tranquilo dentro da partida. Porém, na volta para o segundo tempo, o Ceará, mesmo que aos poucos, começou a chegar ao campo de ataque. Vágner Mancini mexeu no setor de criação da equipe, e fez o Ceará melhorar na partida, mesmo com o Flamengo tendo a maior posse de bola. E o jogo foi se arrastando, com os visitantes cada vez mais perto do gol, e o rubro-negro não conseguindo mais criar jogadas de perigo. Ambos os treinadores mexeram nas equipes, tentando um algo a mais. E Mancini obteve êxito em suas mexidas. Aos 35 minutos, o zagueiro Welinton errou na saída de bola, e a bola sobrou para Felipe Azevedo, que passou por Felipe e empatou o jogo. O Fla ainda tentou, mas não conseguiu o gol da vitória. O resultado ainda deixa o time carioca na terceira colocação na tabela, enquanto o Ceará agora é o décimo colocado.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

"Bolão Na Veia" - 11ª rodada

Saudações, amigos e leitores do Blog Futebol Na Veia. Vamos agora a mais uma rodade de pitacos e palpites sobre mais uma rodada do Campeonato Brasileiro que será realizada neste final de semana.

Na rodada passada (10ª), tivemos um aproveitamento de exatamente 50% de acertos nos resultados. Um desempenho mediano, mas bom se tratando deste Brasileirão tão equilibrado. E quem levou o "Bolão Na Veia" da rodada passada, postando seus palpites nos comentários, foi o amigo Oemesonam, do blog Loucos pelo Futebol!!! , que acertou quatro resultados desta última rodada e faturou o bolão. Continuaremos na luta, em busca de melhores desempenhos, dentro deste Campeonato Brasileiro tão disputado.

Pois bem, agora, na 11ª rodada, já temos algumas disputas definidas, com equipes que despontam tanto para o título, pelas vagas na Libertadores e para fugir do rebaixamento. E, nesta rodada, teremos alguns jogos bastante interessantes, como Corinthians x Cruzeiro, Fluminense x Palmeiras e Atlético-MG x Vasco. E lembrando que teremos apenas oito partidas neste final de semana, já que o jogo entre Avaí x Internacional foi realizado na última quinta-feira, onde o colorado venceu por 3 a 1, e a partida entre Grêmio x Santos será realizado apenas em outubro . Então, vamos ao que interessa: os palpites para mais uma rodada de Brasileirão:

Sábado, 18h30, Morumbi - São Paulo 2x0 Atlético-GO
Sábado, 18h30, Arena da Baixada - Atlético-PR 0x1 Botafogo
Sábado, 18h30, Arena do Jacaré - América-MG 1x1 Figueirense
Sábado, 21h, Cláudio Moacyr - Flamengo 3x1 Ceará
Domingo, 16h, Pacaembu - Corinthians 2x1 Cruzeiro
Domingo, 16h, Raulino de Oliveira - Fluminense 1x1 Palmeiras
Domingo, 16h, Ipatingão - Atlético-MG 2x2 Vasco
Domingo, 16h, Pituaçu - Bahia 1x0 Coritiba

Palpitem nos comentários, amigos!

quinta-feira, 21 de julho de 2011

O complemento da 10ª rodada do Brasileirão

Nesta quarta-feira tivemos a realização do término da 10ª rodada do Campeonato Brasileiro. Três partidas foram disputadas, dentro deste calendário polêmico e tão confuso que a CBF propôs para o início deste nosso Brasileirão. Vamos começar falando do jogo entre Palmeiras x Flamengo, no Pacaembu, que acabou ficando no 0 a 0. No retorno do atacante Kleber ao time alviverde (acabando de vez com a história de uma possível saída da equipe), o verdão tentou impor uma certa pressão sobre o adversário, mas, desde os primeiros minutos de partida, acabou sendo barrado diante da forte marcação da equipe rubro-negra, que, contando principalmente com a ótima atuação de seus volantes de contenção (Willians e Airton), neutralizou as jogadas ofensivas do adversário, que começou a apostar nas bolas paradas para chegar ao gol. Marcos Assunção e Thiago Heleno bem que tentaram, mas não tiveram sucesso. Na segunda etapa, o jogo caiu bastante em ritmo e em oportunidades, ficando truncado no meio-de-campo, assim como no primeiro tempo. Sem criatividade na armação de jogadas, as duas equipes se limitaram a alguns escanteios e faltas para tentar inaugurar o marcador, que insistiu em ficar em branco até o apito final do juiz. O resultado de igualdade deixa o Palmeiras ainda na quarta colocação, com 19 pontos, enquanto o Flamengo continua uma posição acima, em terceiro, com 20 pontos.

Em São Januário, o líder Corinthians continua imbatível neste Brasileirão. A equipe do Parque São Jorge venceu sua sétima partida consecutiva na competição, e aumentou ainda mais sua vantagem no primeiro lugar na tabela. A vítima da vez foi o Botafogo, que fez um bom jogo, mas saiu derrotado. O fogão, contando com a volta do goleiro Jeferson e com a estreia do meio Renato, fez uma partida bastante equilibrada com o timão, principalmente na primeira etapa, onde houve muita movimentação entre as duas equipes. E as melhores chances vieram dos dois lados. Pelo Bota, Herrera mandou na trave a melhor oportunidade. Porém, o alvinegro foi mais competente e abriu o placar no final do primeiro tempo, com gol de Liedson, aproveitando cruzamento da esquerda de Fábio Santos. Na segunda etapa, mesmo com o Botafogo tendo mais a bola, foi o Corinthians quem quase ampliou a vantagem. Em pelo menos três oportunidades, o timão poderia ter marcado o segundo, mas desperdiçou. O fogão acertou mais uma vez a trave do goleiro Júlio César. Por sua vez, o alvinegro paulista também acertou o travessão de Jeferson. O final de jogo foi de pressão dos cariocas, que, apostando em bolas alçadas na área, tentou empatar, mas encontrou uma inspirada defesa corintiana, que não deixou a bola passar. E ainda deu tempo para Paulinho matar o jogo para o Corinhians, nos acréscimos, aproveitando contra-ataque. Mais uma vitória corintiana, que segue absoluto na liderança do Brasileiro. Já o Botafogo se distancia um pouco dos líderes, mas segue no páreo.

Pra finalizar, em Florianópolis, no estádio Orlando Scarpelli, o Figueirense bem que tentou, mas não conseguiu bater o Grêmio. A partida começou com muitas faltas de ambos os lados, mas as oportunidades de gol não demoraram a sair. O Figueira teve a primeira ótima chance, mas o atacante Aloísio desperdiçou. O Grêmio respondeu em seguida, e o jogo seguia bastante equilibrado. Mas, empurrado pela torcida, o time da casa tentou impor uma pressão no final do primeiro tempo. Wilson Pitoni acertou a trave de Marcelo Grohe, mas o placar continuou zerado. O técnico gremista Julinho Camargo, vendo o mal momento da equipe, promoveu alterações logo no começo da segunda etapa, Com isso, mesmo com o Figueirense tendo maior posse de bola, o time gaúcho assustava nos contra-ataques armados por Douglas. Mas, assim como no primeiro tempo, o time catarinense impôs pressão no final da partida, e conseguiu criar excelentes chances, ambas paradas pelo goleiro Marcelo Grohe. A melhor delas aconteceu já nos acréscimos. Gilberto Silva derrubou Heber na área. Pênalti que Elias bateu e o arqueiro gremista defendeu com os pés, garantindo o empate sem gols. O resultado deixou o Figueira na nona colocação, com 15 pontos. Já o Grêmio é o 13ª colocado, com 12, ainda tentando engrenar na competição.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

A mistura uruguaia

Nesta terça-feira tivemos a realização da primeira semifinal da Copa América 2011. Uruguai e Peru fizera uma partida bastante disputada na cidade de La Plata, mesmo palco da eliminação do Brasil no último domingo. Mas a celeste olímpica contou com o ótimo futebol de seus homens de frente para carimbar sua vaga na final da competição. Contando com uma mistura muito positiva de vontade e bom futebol, os uruguaios chegam novamente a uma decisão de Copa América.

Com a classificação, o Uruguai deixa para trás o "fantasma" de duas eliminações seguidas em disputas de pênaltis dentro da Copa América, em 2004 e 2007, ambas para a seleção brasileira, e agora corre atrás da hegemonia histórica dentro da competição. Se conquistar o título no próximo domingo, a equipe irá ultrapassar a Argentina em número total de títulos (ambos possuem 14 conquistas até o presente momento).

As mesmas condições do gramado apresentado no jogo do Brasil no domingo foram proporcionadas para as seleções de Peru e Uruguai. Com um campo em péssimo estado, esburacado e cheio de areia, a primeira etapa de partida acabou sendo prejudicada. O jogo ficou muito amarrado, e os times custavam a criar chances reais de gol. Com isso, o Uruguai insistia e abusava das bolas paradas para chegar ao ataque, mas obteve pouco êxito nas tentativas. Na única oportunidade que deu resultado, o zagueiro-capitão Lugano desviou de cabeça para as redes, mas o gol acabou anulado. A melhor chance do Peru foi também com seu capitão, Vargas, que fez jogada individual, cruzou para a área, mas seus companheiros não alcançaram a pelota. Tirando estes dois lances, apenas algumas outras jogadas do time celeste que levaram perigo a meta do goleiro peruano, dentro de um primeiro tempo bastante amarrado, por conta da forte marcação das duas equipes, e também pelo gramado muito ruim do Estádio Ciudad de La Plata.

Na volta para a segunda etapa, os dois times voltaram apostando em outras estratégias para chegar ao gol. E o Uruguai conseguiu o seu primeiro depois de um chute de fora da área. Forlán arriscou de longe, o goleiro Fernández Valverde rebateu e a bola sobrou para Suárez empurrar para as redes, abrindo o placar. Com o marcador adverso, o Peru se atirou para o campo ofensivo, mas sem nenhuma organização. Resultado: os uruguaios marcaram o segundo gol. Aproveitando os espaços dados pelo adversário, Álvaro Pereira deu lindo lançamento para Suárez, que cortou o arqueiro peruano e chutou, marcando o 2 a 0 para a celeste olímpica. Depois disso, para piorar ainda mais a situação dos peruanos, o capitão e melhor jogador da equipe até então na partida, Vargas, foi expulso depois de acertar uma cotovelada em um uruguaio. Mesmo assim, o Peru foi pra cima, pressionou, mas pouco conseguiu assustar o gol do goleiro Muslera e não conseguiu reverter o placar. Festa do Uruguai em solo argentino.

Com a classificação, os uruguaios agora esperam o vencedor do confronto entre Venezuela x Paraguai, que jogarão nesta quarta-feira. Porém, todo o conjunto e com os talentos individuais que o Uruguai possui hoje, é notável que a equipe se torne favorita para conquistar o título no próximo domingo, independentemente do adversário. Com um goleiro acima da média (Muslera, que já havia se destacado na última Copa do Mundo, é um dos destaque deste time, e já acertou seu contrato com o Galatasaray, da Turquia), com uma sólida defesa (liderado pelo ex-são-paulino Diego Lugano e por Coates, que já está na mira do tricolor paulista), com um meio-de-campo pegador na marcação e criativo na armação (com o botafoguense Arévalo Rios a frente da zaga e com Gargano e Álvaro Pereira na criação) e com um ataque matador (Forlán e Suárez, além de possuir ótimas opções no banco de reservas, como Loco Abreu e Cavani) e com Oscar Tabárez no comando, a celeste olímpica vai se ressurgindo cada vez mais.

Depois do quarto lugar no Mundial da África do Sul, os uruguaios, agora devolta a uma final de Copa América, já sentem o orgulho pela seleção florescer novamente, e com uma geração que promete muito. Com uma mistura muito heterogênea de raça e categoria, o Uruguai chega com tudo para retomar o posto de uma das seleções com grande destaque mundialmente.

domingo, 17 de julho de 2011

A punição da bola e da soberba na seleção brasileira

Neste domingo a seleção brasileira entrou em campo para as quartas-de-final da Copa América. E o jogo contra o Paraguai prometia ser bastante duro e complicado. Mas o que se viu dentro de campo foi um Brasil muito superior não só nos primeiros 90 minutos, mas também na prorrogação. Porém, o futebol é feito de bolas na rede, e foi exatamente isso que a seleção deixou de fazer. Resultado: decisão por penalidades máximas e eliminação brasileira na Argentina.

Inversamente, a seleção brasileira teve sua melhor atuação na era Mano Menezes nesta partida que acabou sendo eliminado. Com objetividade e principalmente movimentação dos homens de frente, além da segurança na defesa, o Brasil foi muito bem com a bola rolando. Mas pecou com as diversas chances perdidas, acabou levando a decisão para os pênaltis e sendo muito incompetente nas finalizações, perdendo as quatro cobranças e vendo o paraguai converter as necessárias para chegar as semifinais da Copa América. A velha máxima do futebol prevaleceu, e a seleção provou isto da pior maneira possível, com uma eliminação doída e bastante decepcionante.

Pela primeira vez depois de mais de um ano a frente da seleção brasileira, Mano Menezes conseguiu repetir a escalação de uma partida. O time canarinho que entrou em campo foi exatamente o mesmo que venceu o Equador na última quarta-feira. E a postura da equipe diante do Paraguai foi muito positiva desde o início de partida. Com uma marcação mais firme, os volantes Lucas e Ramires dando mais segurança na cobertura dos laterais, e os zagueiros Lúcio e Thiago Silva se entendendo melhor, a seleção não deixou o Paraguai chegar ao campo de ataque, tendo o pleno domínio da partida. Na frente, Paulo Henrique Ganso ditava o ritmo dos toques, encontrando Neymar e Robinho se movimentando em ambos os lados, auxiliados por Maicon e André Santos, com Alexandre Pato dentro da área. E foi assim que o Brasil sufocou os paraguaios não só na primeira etapa, mas também no segundo tempo e nos dois tempos da prorrogação. Jogando por ambos os lados e pelo meio, invertendo jogadas de uma ponta a outra, com cruzamentos e entrando na área adversária, a seleção chegou de todas as formas possíveis. E criou muitas oportunidades de gol. Maicon e André Santos jogavam como ponteiros e apoiavam, Neymar arriscava seus dribles e se movimentava juntamente com Robinho, que estava muito mais ligado, além das arrancadas de Ramires vindo de trás.

E as chances de gol criadas foram todas desperdiçadas. Neymar, Robinho, Pato, Ganso e até o capitão Lúcio ou jogaram pra fora ou pararam na excelente atuação o goleiro-capitão do Paraguai Justo Villar. Mano mexeu na equipe, tentando fazer as oportunidades se reverterem em gol. Fred entrou e também teve ótima chance, mas não conseguiu botar a bola na rede. Os paraguaios, durante todo o jogo, pouco assustaram o gol de Júlio César, que contou com uma defesa muito bem postada, comandada por Lúcio e por Thiago Silva, além de Lucas a frente dos dois. Mas, mesmo diante desde panorama favorável a seleção canarinho, com ataque atrás de ataque e com uma defesa segura, a bola parecia insistir em não entrar. E, assim, a partida foi para a prorrogação. E a nossa seleção, mesmo diminuindo o ritmo, continuou com o domínio quase que total dentro de campo. Porém, no tempo extra, as chances de gol foram menos agudas. O Paraguai catimbava a partida para chegar as penalidades máximas, já que era dominada. E foi exatamente isto que aconteceu. Decisão por pênaltis pela vaga nas semifinais da Copa América. Mas toda a superioridade brasileira manifestada e mostrada dentro de campo com a bola rolando foi toda por água a baixo na marca da cal em La Plata. Em quatro cobranças, quatro erros grotescos dos atletas brasileiros, que parecem ter sentido o momento emocional de uma partida como esta. Melhor para o Paraguai, que converteu duas cobranças e ficou com a vaga.

Mesmo diante de uma bela apresentação, a nossa seleção brasileira acabou caindo precocemente da Copa América. E, diante disso, é preciso destacar os dois lados da moeda. Vamos primeiro falar dos lados positivos: o tão falado "padrão de jogo" da nossa seleção teve pelo menos um esboço neste partida. Velocidade e segurança defensiva tiveram destaque. O domínio da partida foi indiscutível, com muita movimentação e rápido toque de bola, além da maior objetividade da equipe em busca do gol. Porém, numa derrota, os lados negativos prevalecem: os nossos principais jogadores não brilharam o que costumam brilhar em seus clubes (a exemplo de Ganso e Neymar); Mano Menezes pecou por mudanças erradas durante e partida e escolhas equivocadas, que de uma maneira ou outra fizeram alguma diferença; a incompetência na hora das finalizações, quando o Brasil criou muito e errou todas as oportunidades; e destaco principalmente a falta de equilíbrio emocional e até certo ponto de humildade por parte dos jogadores na hora das cobranças de pênalti. Ficou eminente um ar de soberba por parte dos atletas que bateram as penalidades, uma tranquilidade incômoda, que fez a seleção colocar culpa no péssimo gramado para os QUATRO erros nos pênaltis, uma coisa que é inadmissível em uma seleção brasileira principal.

É difícil comentar e até de entender, uma equipe que foi muito séria e lúcida durante toda a partida, mas que se perdeu diante de uma disputa de penalidades, e jogou toda uma competição importante fora. Agora, Mano Menezes terá somente alguns amistosos para poder formar o grupo para a disputa para a Copa das Confederações em 2013, visando sempre o Mundial de 2014. O que podemos tirar de lição nesta eliminação é que a soberba é inimiga da vitória. E a soberba da seleção foi vista exclusivamente nas cobranças de pênalti, porque, durante os 120 minutos de bola rolando, o Brasil mostrou um bom futebol. Faltou a bola na rede, a coisa mais importante dentro do futebol. Resta ao torcedor brasileiro esperar um melhor entrosamente e um melhor controle emocional da nossa jovem seleção, que falhou em seu primeiro teste de fogo em uma competição oficial. O futuro de Mano Menezes a frente da seleção é incerto, mas o momento é de reflexão e de pensamento diante de toda esta eliminação sofrida e intrigante. Infelizmente, a bola pune. E ela puniu o Brasil.

Uruguai nas semifinais da Copa América e a abertura da 10ª rodada do Brasileirão

Neste sábado tivemos a abertura da fase de quartas-de-final da Copa América. No primeiro jogo, o Peru venceu a favorita Colômbia na prorrogação e surpreendentemente garantiu sua vaga nas semifinais. Os 2 a 0 foram construídos na prorrogação, desbancando os colombianos e fazendo mais uma zebra nesta imprevisível competição. Mas a partida principal do dia estava reservada para a cidade de Santa Fé. O clássico entre Argentina e Uruguai reservava grandes emoções. E foi isso mesmo que aconteceu. Um a partida disputada, bem no estilo das duas equipes, decidida nas penalidades máximas, onde brilhou a estrela do goleiro uruguaio Muslera, que carimbou o passaporte da celeste para as semifinais da Copa América, e eliminando os donos da casa precocemente.

O jogo foi caracterizado por momentos. No início, a partida começou com muita marcação e “botinadas”, principalmente por parte dos uruguaios, que conseguiram abrir o placar logo no comecinho, com Diogo Perez, aproveitando rebote de cobrança de falta de Forlán. Mas os donos da casa foram pra cima e empataram pouco tempo depois, com Higuaín. A partir daí, a Argentina, empurrada pela torcida, foi melhor no jogo, sufocando os uruguaios principalmente com as jogadas individuais de Messi, que, depois da mudança tática de Sérgio Batista, melhorou seu desempenho na seleção , sendo mais participativo e decisivo. Para melhorar ainda mais as coisas para o lado hermano, o mesmo Diogo Perez que marcou para os uruguaios acabou sendo expulso. Porém ,quando se esperava uma Argentina ainda mais presente na frente, o Uruguai melhorou e, mesmo com um jogador a menos, e contando principalmente com a raça de Suarez e Forlán na frente, conseguiu equilibrar as ações até o fim do primeiro tempo. Faltou dizer ainda que as duas equipes tiveram gols (bem) anulados neste tempo. Veio a segunda etapa, e com ela a Argentina voltou a dominar as ações do jogo, pressionando novamente os uruguaios, que apelavam para os chutões e para o jogo duro. Os hermanos tiveram diversas chances. Higuaín, Aguero, Messi e depois Tevez tentaram, mas todos pararam em uma muralha chamada Muslera. O arqueiro uruguaio, que já havia se destacado na última Copa do Mundo, segurou as pontas para o time celeste, que no final a etapa final viu o número de jogadores dentro de campo ser igualado com a expulsão de Mascherano.

O 1 a 1 fez a partida ir para a prorrogação. E nos dois tempos extras a Argentina seguiu melhor no jogo, tendo mais oportunidades de gol, mas o Uruguai também se aproveitava quando chegava ao ataque. Messi teve a grande chance de calar parte dos críticos e marcar, mas Muslera novamente entrou em ação. Os uruguaios assustaram, mas também não conseguiram balançar as redes novamente. A decisão por penalidades máximas era inevitável. E o grande personagem da partida não poderia se afugentar no momento mais decisivo do jogo. Mesmo com cobranças bem executadas por ambos os times, Carlitos Tevez foi o “escolhido” para parar em Muslera, que defendeu uma cobrança e garantiu a festa celeste em terras argentinas. O Uruguai agora segue em frente e enfrenta a seleção do Peru nas semifinais. Não precisamos nem falar quem é o favorito para chegar à final, mas, como nesta Copa América as coisas não estão acontecendo como o imaginado, é melhor não ficarmos fazendo previsões do que pode ou não pode acontecer daqui pra frente. Fato é que o time celeste é muito mais time. Já para a Argentina resta lamentar mais uma eliminação, esta dentro de casa, derrota que mantém o incômodo jejum de título, mas que pelo menos já viu um Lionel Messi mais “envolvido” com a seleção, que já melhorou seu estilo em prol do melhor do mundo. O futuro da seleção argentina pode ser melhor daqui pra frente, mas ainda persistem alguns problemas que precisam ser solucionados, se os hermanos querem mesmo voltar para o cenário do futebol mundial.

E também neste sábado tivemos a abertura da 10ª rodada do Campeonato Brasileiro , com quatro partidas. Começamos então falando a vitória do Vasco sobre o Atlético-PR, a segunda consecutiva do time carioca, que segue em busca da tentativa de conquistar o título brasileiro, já que o G-4 já não vale muita coisa para o cruzmaltino, já que a vaga para a Libertadores já está garantida. Num jogo bastante complicado em São Januário, o furacão conseguiu sair na frente, com Kleberson, mas viu os donos da casa apertar e virar o jogo, com dois gols de Alecssandro, que voltou a marcar depois de jejum. Os vascaínos agora estão com 17 pontos, na quinta colocação, enquanto os paranaenses continuam afundados na lanterna, ainda sem vitórias neste Brasileirão. No Couto Pereira, o Coritiba venceu muito bem o Fluminense e continua subindo na tabela. Melhor em praticamente toda a partida, o Coxa contou com os gols de Marcos Aurélio, Pereira e Bill para vencer partida e continuar com sua ascensão. O alviverde já ocupa a nona colocação, enquanto o tricolor carioca, que foi muito mal nesta partida, vem logo em seguida. No Serra Dourada, o Avaí finalmente conquistou sua primeira vitória neste Campeonato Brasileiro, derrotando o Atlético-GO. William marcou o único gol do triunfo do time catarinense, que segurou a pressão dos donos da casa e garantiu os três pontos. Ambos continuam na zona de rebaixamento. Pra finalizar, o Santos, jogando na Vila Belmiro, voltou a vencer. O 2 a 1 contra o Atlético-MG, mesmo numa partida sem muita qualidade, serviu para a equipe subir um pouco na classificação, mesmo ainda estando no meio da tabela. O galo ainda flerta a zona da degola.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

"Bolão Na Veia" - 10ª rodada

Amigos e leitores do Futebol Na Veia, uma saudação especial. Sexta-feira, como já é de costume aqui no blog, é dia de "Bolão Na Veia", tentando "prever" ou apenas palpitar sobre os jogos do final de semana do Campeonato Brasileiro.

Na última rodada do nosso bolão, tivemos um aproveitamento ruim: somente quatro acertos em dez partidas, um desempenho que com certeza pode ser melhorado. E, entre os que comentaram, dando também seus pitacos, quem levou a melhor foi o amigo Giovani Mattiollo, do blog Sangeu Azul, que também teve quatro acertos. O desempenho nesta última rodada foi muito abaixo do esperado, mas, como vivemos de muitos altos e baixos, não desistimos nunca!

10ª rodada de Campeonato Brasileiro, muita coisa ainda pra rolar, mas já podemos tirar algumas conclusões. O Corinthians, líder com seis pontos de vantagem para o segundo colocado Flamengo, surgi muito forte para o título. O próprio rubro-negro, além de São Paulo, Internacional e Palmeiras, também prometem encomodar. Botafogo, Vasco, Cruzeiro e o pelotão que vem detrás podem chegar as primeiras colocações. E, além da disputa pelo título e pelas vagas na Libertadores, os candidatos a zona de rebaixamento também já dão suas caras. Rodada bastante importante esta, com jogos bastante interessantes, como Santos x Atlético-MG, Internacional x São Paulo, Palmeiras x Flamengo e Botafogo x Corinthians. Lembrando que teremos apenas sete jogos neste final de semana, por conta da partida da nossa seleção no domingo, pelas quartas-de-final da Copa América. Mesmo assim, vamos palpitar, em busca de muitos acertos. Vamos lá!

Sábado, 18h30, São Januário - Vasco 2x0 Atlético-PR
Sábado, 18h30, Couto Pereira - Coritiba 2x1 Fluminense
Sábado, 18h30, Serra Dourada - Atlético-GO 1x0 Avaí
Sábado, 21h, Vila Belmiro - Santos 1x1 Atlético-MG
Domingo, 18h30, Beira-Rio - Internacional 3x2 São Paulo
Domingo, 18h30, Presidente Vargas - Ceará 3x1 América-MG
Domingo, 18h30, Arena do Jacaré - Cruzeiro 2x0 Bahia
Quarta-feira, 19h30, Pacaembu - Palmeiras 2x2 Flamengo
Quarta-feira, 19h30, São Januário - Botafogo 1x1 Corinthians
Quarta-feira, 19h30, Orlando Scarpelli - Figueirense 1x0 Grêmio

Mesmo com apenas sete jogos neste final de semana, vamos palpitar em toda a rodada. Então, bons pitacos nos comentários!

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Mano dá confiança, ataque desencanta, mas defesa preocupa

Nesta quarta-feira a seleção brasileira entrou em campo para o seu último compromisso nesta primeira fase da Copa América. E a equipe finalmente conseguiu dar um “alarde” no seu bom futebol. A vitória por 4 a 2 contra o Equador deu ao Brasil o primeiro lugar no Grupo B da competição e consequentemente a classificação para as quartas-de-final, onde enfrentará novamente o Paraguai.

Mesmo diante de uma equipe rápida no ataque, a seleção canarinho se aproveitou da fragilidade dos equatorianos na defesa e desencantou. Alexandre Pato e Neymar marcaram duas vezes cada, jogando pra bem longe as dúvidas. O Brasil mostrou principalmente nesta partida um maior poder de fogo no ataque, principalmente por causa da entrada de Maicon pelo lado direito. Porém, a nossa defesa falhou novamente, e começa a deixar interrogações sobre seu desempenho dentro de campo.

Mano Menezes promoveu duas alterações em relação à equipe que entrou em campo contra o Paraguai. Robinho retornou ao ataque brasileiro na vaga de Jadson, e Maicon ganhou a titularidade, deixando Daniel Alves no banco de suplentes. Com isto, a seleção ganhou muito em velocidade no campo ofensivo, sufocando o Equador no início de partida. Porém, esta superioridade na frente não se traduzia em chances de gol. Explorando principalmente o lado direito, o Brasil chegava à frente, mas as oportunidades não resultavam em muito perigo. Os equatorianos marcavam forte, desde a saída de bola, prejudicando a criação de jogadas no meio-de-campo canarinho. Assim, a seleção optou por suar as laterais de campo. E deu certo. O primeiro gol saiu de um destas jogadas. André Santos recebeu a esquerda e cruzou na medida para Alexandre Pato antecipar a marcação e marcar de cabeça, para explosão e desabafo do camisa 9. Mas, quando se notava um Brasil mais solto e cada vez mais envolvente, veio o golpe. Assim como no último jogo, a seleção tomou um gol que começou numa cobrança de tiro de meta. O meio-campo brasileiro perdeu a disputa de cabeça, Lúcio não conseguiu o desarme e a bola caiu nos pés de Caicedo, que chutou da entrada da área e contou com a falha de Júlio César para empatar o jogo, colocando uma pitada de drama na classificação verde a amarela. O gol foi um duro baque para o time, que levou até certo “sufoco” dos equatorianos no fim do primeiro tempo. A segunda etapa prometia ser complicada para a nossa seleção.

Porém, Mano manteve a equipe, dando a confiança de faltava para o time engrenar de verdade. E o resultado que se viu foi um Brasil que soube usufruir de toda sua superioridade técnica para sair do sufoco. Tanto é que logo no começo do segundo tempo a seleção pulou a frente do placar novamente. Em jogada que começou com Ramires, Paulo Henrique Ganso deu um lindo toque, deixando Neymar na cara do gol. Desta vez, o camisa 11 deve ter se lembrado das duras do capitão Lúcio durante a semana e as seriedade e objetividade cobrada pro Mano e nem dominou a bola, acertando um belo chute de primeira, fazendo o 2 a 1 e marcando seu primeiro gol nesta Copa América. Mas o drama persistia em não largar os brasileiros. Assim como no primeiro tempo, o Brasil levou o empate quando tinha seu melhor momento dentro da partida. Novamente o atacante Caicedo teve espaços para bater de fora da área e vencer Júlio César. A partir daí, o técnico Mano Menezes já havia chamado Fred para entrar no jogo. Mas ele resolveu dar confiança para seus titulares mostrarem serviço e pularem a frente do marcador novamente. E foi o que aconteceu. Neymar fez jogada pelo meio e chutou. O goleiro equatoriano deu rebote e Pato ganhou a disputa com os zagueiros e marcou novamente. A partir daí, os sustos se acabaram, o Brasil soube controlar muito bem a partida, apertou sua marcação no meio, atrás e até no campo de ataque, impondo dificuldades para o adversário, que não conseguia mais assustar. A seleção se mantinha no campo de ataque, apostava principalmente nas investida de Maicon pela direita. E numa destas jogadas saiu o quarto gol. Depois de tabela, o lateral brasileiro entrou na área e cruzou rasteiro para Neymar completar para as redes. Somente depois dos trinta minutos que Mano promoveu suas alterações, depois de fazer a seleção “titular” ganhar confiança. Entraram Fred, Lucas e Elias, que pouco mudaram o estilo de jogo brasileiro, que levou a partida sem muitos sustos até seu final, carimbando a classificação em primeiro lugar no Grupo B da Copa América.

Vitória maiúscula pelo placar, mas minimizada por se tratar de uma seleção fraca tecnicamente, onde o Brasil não precisa deste sufoco para obter sua classificação. Mas o que importa mesmo é que a seleção finalmente dá sinais de que seu ataque pode deslanchar. A “prova dos 9” será nesta fase final de Copa América, onde as dificuldades tendem a aumentar. A parte ofensiva brasileira é indiscutivelmente muito qualificada tecnicamente, e Mano pode se aproveitar disso para fazer o Brasil chegar longe. Paulo Henrique Ganso e Neymar, mesmo não mostrando ainda tudo o que podem apresentar, já deram brechas nesta partida que podem deslanchar. Ganso se diferencia por seus toques acelerados e ao mesmo tempo com cadência, mas ainda está errando passes que não costuma errar. Neymar, contra o Equador, desencantou, marcou dois gols e melhorou seu futebol que apresentou nos dois primeiros jogos, onde priorizou as jogadas individuais e a tentativa de dribles que não davam resultado. Porém, nesta partida, objetividade mostrada faz o torcedor brasileiro ter esperança, para ver um Neymar mais decisivo. Alexandre Pato, que foi bem no jogo de estréia e não tão bem contra o Paraguai, voltou a se destacar por seu faro de gol e pelo seu domínio de bola. E Robinho recuperou a vaga de titular e não decepcionou. O camisa 7 foi muito mais participativo em todo o jogo, principalmente pelas investidas de Maicon pela direita, onde tinha alguém para trabalhar suas jogadas.

E, se o ataque parece que vai deslanchar, a defesa brasileira ainda deixa dúvidas no ar. Tirando Maicon, que foi muito bem na marcação e principalmente no apoio ao ataque, e soube aproveitar muito bem a chance que teve, os defensores brasileiros ainda não encontraram uma instabilidade. Júlio César falhou, mas este vacilo foi um lance isolado perante toda sua qualidade debaixo das traves. Lúcio e Thiago Silva parecem que ainda não se entrosaram, então devemos esperar mais uma pouco para fazer alguma ponderação mais grave. Porém, algumas falhas de ambos acabam resultando em gols adversários, assim como na marcação dos dois volantes da seleção, Lucas e Ramires. Principalmente Lucas, que é o primeiro volante, precisa dar mais segurança aos zagueiros e auxiliá-los nas investidas adversárias. As sobras de bola no meio-de-campo brasileiro têm sido um grande problema neste início de Copa América, e a falta de combate dos volantes precisa ser alertada por Mano Menezes. Mas, diante de tudo isto, a confiança dada por Mano aos titulares foi sem dúvida muito importante não só para a vitória sobre o Equador, mas também para esta complicada segunda fase que vem pela frente. Domingo o Brasil volta a enfrentar o Paraguai, agora valendo uma vaga nas semifinais da Copa América. A promessa é de um jogo duro para a nossa seleção, mas a esperança é de que o Brasil consiga a classificação, buscando ainda um equilíbrio entre os setores, para finalmente encaixar nesta era Mano Menezes.

terça-feira, 12 de julho de 2011

Copa América, a novela Kleber e "mais uma" de Andrés Sanches

Amigos e leitores do Futebol Na Veia, mesmo estando ainda no início da semana, já tivemos vários temas e assuntos pintando no cenário futebolístico mundial. Dentre eles, destaco neste post três principais assuntos: A Copa América, que chega no final de sua primeira fase, a novela cheia de polêmicas envolvendo o atacante Kleber e "mais uma" do presidente do Corinthians, Andrés Sanches.

Começaremos então falando de Copa América, onde tivemos a abertura da última rodada neste início de semana. Na segunda-feira, o Grupo A da competição entrou em campo, onde conhecemos os dois primeiros classificados. A Colômbia bateu a Bolívia por 2 a 0, e garantiu o primeiro lugar. Já a Argentina saiu do sufoco e finalmente venceu sua primeira partida. O 3 a 0 na seleção sub-22 da Costa Rica fez o time de Lionel Messi carimbar o passaporte para as quartas-de-final da Copa. Como notamos, o triunfo argentino foi muito comemorado e festejado, pela ótima atuação de Messi e pelo "renascimento" dos hermanos. Mas, convenhamos, bater uma seleção sub-22 de um país sem expressão no futebol, numa Copa América em casa e com toda a superioridade técnica coletiva e principalmente individual da Argentina, não pode ser tão levado em conta. E, se isto acontecer realmente, os argentinos podem ter uma impressão totalmente equivocada de sua seleção, que pegará uma pedreira já nas quartas. No Grupo C, o Chile confirmou a primeira colocação na chave com a vitória sobre o Peru, que ainda pode se classificar entre um dos dois melhores terceiros colocados. A outra vaga ficou com o Uruguai, que venceu o México e agora fará um ótimo duelo contra os donos da casa. Nesta quarta-feira é a vez do Grupo B ser definido.

Depois de Copa América, é a vez de falarmos da polêmicas novela do atacante Kleber, do Palmeiras. Tudo começou quando no dia 18 de junho, a presidente do Flamengo Patrícia Amorim ofereceu ao presidente do verdão, Arnaldo Tirone, uma proposta oficial querendo o atacante. Porém, esta foi recusada. Mesmo assim, o clube carioca manteve o interesse e ameaçou dobrar a proposta para ter o Gladiador. Mas o Palmeiras queria mais. Assim, Kleber, enquanto trocava "gentilezas" com os dirigentes alviverdes, viu o rubro-negro se aproveitar e acenar com uma tentadora proposta para o atacante. Porém, o próprio Kleber garantiu que a possibilidade de saída era zero, fazendo o Flamengo desistir oficialmente da compra. Uma novela que durou quase um mês e que só serviu para criar mais boatos e desconfortos dentro do clube para o Gladiador, que agora sai manchado desta história, mesmo tendo recusado a proposta rubro-negra, depois da troca de farpas com os diretores do verdão. O próprio presidente Tirone, que quando foi eleito garantiu que entrava no clube para cortar gastos, se contrariou e acenou com a possibilidade de aumentar o salário de Kleber, coisa que não é padrão na sua gestão. No final das contas, Kleber fica com um clima bastante pesado no Palmeiras. Vamos ver se isso afetará em seu desempenho dentro de campo.

Pra finalizar, vamos falar da principal notícia que agitou o mercado do futebol brasileiro e mundial neste início de semana: a manifestação de interesse do Corinthians em repatriar o atacante argentino Carlitos Tevez. O presidente do timão, Andrés Sanches, acenou com mais uma de suas tentativas malucas para trazer um grande astro para o Parque São Jorge. Segundo o presidente, o alvinegro fez uma proposta de 90 milhões de reais ao Manchester City para trazer Tevez devolta ao Brasil. Porém a oferta teria sido recusada, já que o clube inglês exigiria no mínimo 100 milhões de reais para negociar o argentino, e o timão já declarou que não aumentará a proposta. O time brasileiro aposta na vontade de Tevez em voltar a América do Sul, e também em toda uma campanha de marketing caso o jogador retorne, para ajudar no pagamento do salário do argentino. E, em torno de mais uma "novela" que está prestes a começar, destaco aqui mais uma declaração do presidente alvinegro Andrés Sanches, que parece que está disposto a fazer (quase) de tudo para tentar trazer uma estrela do futebol mundial, colocando até as futuras cotas referentes a televisão na berlinda. Uma oferta de 90 milhões de reais não é qualquer oferta. Mas lembramos outros episódios de tentativas que foram frustradas, como nos casos de Riquelme e mais recentemente de Seedorf, onde todo o alarde foi dado, mas as negociações não vingaram. A torcida corintiana já fica com o pé atrás depois de mais uma polêmica declaração de Andres sobre mais uma sonho, que afirma ter toda uma matemática para trazer Carlitos de volta ao Brasil. Será que agora vai? Corintianos de todo o país, é melhor esperar pra ver.

domingo, 10 de julho de 2011

O melhor da 9ª rodada do Brasileirão

Neste final de semana tivemos a realização da nona rodada do Campeonato Brasileiro. A rodada teve seu início no sábado, onde tivemos a vitória do São Paulo sobre o Cruzeiro. Depois de três derrotas consecutivas, o tricolor do Morumbi voltou a vencer e conseguiu se manter nas primeiras colocações, contando com as belas atuações de Marlos e Rivaldo. Já a raposa viu sua boa sequência e vitórias ser freada. Outra equipe que voltou a vencer foi o Vasco. O time da Colina bateu o Internacional em São Januário com gols de Eder Luís e Dedé, e mais do que venceu, convenceu sua torcida com uma boa apresentação. Ricardo Gomes fez mudanças na equipe que deram resultado, fazendo o cruzmaltino ocupar a sétima posição na tabela. Mesmo com a derrota, o Inter permanece na frente dos cariocas. Ainda no sábado, Atlético-PR e Avaí fizeram o duelo dos últimos colocados do Brasileirão. E o resultado não poderia ser outro. Um 0 a 0 bem meia-boca, com raras chances de gol e quase sem nenhuma qualidade, justificando as posições das duas equipes na tabela.

No Domingo, tivemos o complemento da rodada, com mais nove jogos. No Engenhão, o Flamengo venceu mais uma partida no clássico contra o Fluminense e permanece na cola do Corinthians. Willians marcou o único gol do jogo, que assegurou ao Fla a manutenção da segunda colocação na tabela. Num jogo onde os passes errados foram o grande destaque, o rubro-negro mantém a ótima sequência, enquanto o Fluminense ainda procura um equilíbrio dentro da competição. O líder Corinthians também não deu mole e continua na primeira posição. O timão foi até o Serra Dourada e bateu o Atlético-GO pelo placar mínimo. Com uma ótima atuação do goleiro Júlio César, o alvinegro, mesmo não jogando bem, garantiu o triunfo na segunda etapa, e manteve a vantagem de três pontos na liderança, com um jogo a menos. O dragão agora cai para a zona de rebaixamento. No Olímpico, o Grêmio conseguiu se recuperar dos últimos tropeços, venceu o Coritiba e afastou o perigo da zona da degola. E o tricolor gaúcho contou com dois novos contratados para sair do sufoco. André Lima e Gilberto Silva, ambos na segunda etapa, marcaram os gols da vitória dos gaúchos. O Coxa já flerta o Z-4.

Em Pituaçu, Bahia e Botafogo ficaram no empate, que acabou sendo um resultado que não foi bom para nenhum dos dois times. Elkeson, ainda na primeira etapa, abriu o placar para o alvinegro, mas, no segundo tempo, o ex-botafoguense Fahel empatou para o tricolor baiano, que fica na 15ª colocação, próximo da zona de rebaixamento. Já o fogão continua encostado nos primeiros colocados, mas fora do G-4. No Pacaembu, o Palmeiras atropelou o Santos e voltou a zona da Libertadores. O verdão decidiu a fatura logo na primeira etapa do clássico. Maikon Leite, Maurício Ramos e Patrick marcaram os três gols do triunfo alviverde. Muricy ainda tentou mexer na equipe, o peixe melhorou no segundo tempo, mas não conseguiu reverter o resultado, que deixou o Palmeiras na quarta colocação na tabela. Já o peixe ainda sofre com os diversos desfalques e amarga a 16ª posição. Na Arena do Jacaré, o Atlético-MG voltou a vencer dentro do Brasileirão. Melhor durante toda a partida, o galo, com gols de Jônatas Obina e Neto Berola, bateu o América-MG, ocupa a 13ª colocação e alivia um pouco a crise. O coelho segue em sua má fase, ainda na zona de rebaixamento. Pra finalizar, no Orlando Scarpelli, o Figueirense perdeu seu 100% de aproveitamento dentro de casa com o empate contra o Ceará. O time visitante abriu o placar com Washington, mas os catarinenses pressionaram e chegaram ao empate, com Maicon. A igualdade faz as duas equipes seguirem no meio da tabela.