sábado, 26 de junho de 2010

Com atuação abaixo da média, Brasil empata com Portugal e garante liderança

No jogo mais esperado do Grupo G da Copa do Mundo, Brasil e Portugal jogaram em Durban, e não correponderam as espectativas. Com um futebol burocrático, ríspido e sem qualidade, as duas seleções ficaram num chato 0 a 0, garantindo assim as vagas para as oitavas-de-final.

O jogo se resumiu em um primeiro tempo mais do Brasil e o segundo mais de Portugal. Na primeira etapa, com as diversas mudanças da seleção brasileira (as entradas de Daniel Alves, Júlio Baptista e Nilmar), a seleção portuguesa reforçou a marcação, congestionando principalmente o lado direito do ataque brasileiro. Fábio Coentrão anulou quase por completo Maicon, que não conseguia chegar ao ataque. Mesmo assim, o Brasil insistia pelas jogadas por ali, com Daniel Alves encostando no lateral brasileiro. Pelo outro lado, Nilmar, fazendo a função de Robinho, que foi poupado, ficava aberto pela esquerda, isolado, já que Michel Bastos não subia e Júlio Baptista pouco aparecia. Pelo lado português, Coentrão aproveitava aproveitava as tentativas de subida de Maicon e criava chances. Cristiano Ronaldo, jogando centralizado, pouco assustou no primeiro tempo, assim como toda sua seleção, que permanecia defendendo muito, e saindo nos contra-ataques, dificultando as coisas para a nossa seleção, que teve a maioria da posse de bola, e criou as duas principais oportunidades de gol na primeira etapa. Primeiro com Nilmar, que recbeu lançamento, pegou de primeira pela ponta esquerda para a defesa de Eduardo, ajudado ainda pela trave. Depois, Luís Fabiano recebeu cruzamento e testou reste a trave do arqueiro português. Somente com essas chances, o primeiro tempo foi marcado mesmo pelas jogadas duras, principalmente de Pepe, pelo lado português, e Felipe Melo, pelo lado brasileiro, que até acabou substituído ainda no primeiro tempo, pelas suas entradas duras, pelo cartão que já havia recebido e por uma pancada que levou do próprio Pepe. No total, foram sete cartões, todos amarelos, somente no tempo inicial de partida.

Na segunda etapa, as seleções voltaram sem alterações, e Portugal começou a se soltar, explorando sempre o lado esquerdo de ataque, com Cristiano Ronaldo aparecendo. Carlos Queiróz ainda reforçou o ataque colocando Simão no lugar de Dani. Aos 15 minutos, aconteceu a melhor chance dos portuguses no jogo. Em linda jogada de Ronaldo pelo lado direito, Lúcio (que mais uma vez se destacou na partida) cortou de carrinho a bola, que veio parar no meio da área, limpa para Raúl Meireles tocar e Júlio César fazer intervenção providencial, se machucando no lance. Com a defesa atrapalhada, o Brasil então tentou variar suas jogadas, tentando seus ataques pelo lado esquerdo, com Michel Bastos, que foi muito pouco eficiente, errando seguidos passes e cruzamentos. Com a parte de criação muito comprometida, já que também Júlio Baptista pouco se movimentava, Dunga tentou mudar a equipe, sacando o meia da Roma para a entrada de Ramires, e Grafite no lugar de Luís Fabiano. Mesmo com as alterações, tanto a seleção brasileira como a portuguesa pouco criaram e nos últimos 15 minutos de partida ficaram num jogo monótodo, tocando a bola e esperando o término de espetáculo, se é que isso merece ser chamado de "espetáculo", já que o empate classificava as duas seleções. Apenas aos 45 minutos, Ramires arriscou chute de fora da área, que desviou na zaga lusa e quase enganou Eduardo, que fez boa defesa. Muito pouco para duas equipes favoritas, principalmente para o Brasil, que mais uma vez mostrou deficiências e muitas dificuldades contra uma seleção mais fechada.

Como todos nós já esperavamos, nossa seleção não tem peças de reposição para nossos principais jogadores, numa eventual situação desfavorável de lesão ou cartão, como neste jogo. Júlio Baptista não pode ser o substituto de Kaká, pouco apareceu e não acrescentou em nada. Daniel Alves não jogou bem, mostrou falhas na marcação, mas está jogando deslocado. Elano deve voltar e cobrir esta ausência. Preocupações que podem vir a complicar a vida de Dunga e da seleção brasileira daqui para frente, nesta fase de mata-mata, onde não podem haver erros. O próximo desafio será contra o Chile, na segunda-feira, em Johannerburgo. O time de "El Loco" Bielsa já mostrou que pode complicar as coisas, tem uma equipe qualificada, com um bom meio-de-campo e ataque, mas que terá muitos desfalques na defesa. Pelo estilo de jogo dos chilenos, mais ofensivo, o Brasil pode se aproveitar e jogar como gosta, acertando a marcação e nos contra-ataques. Vamos esperar. Que não seje a mesma história deste jogo contra os portugueses, onde a seleção não mostrou nada de bom, jogou rasoavelmente no primeiro tempo e mal no segundo, mas podia errar. Agora não pode mais. É mata-mata, e não há margem para erros. Que a história seje diferente, e que nossa seleção siga adiante no sonho rumo ao hexa.

7 comentários:

  1. Fala, cara!

    Por partidas como essa que não me culpo por torcer contra essa palhaçada. Tem noção que o segundo tempo do BRASIL foi jogado com um meio campo formado por JOSUÉ, GILBERTO SILVA e JÚLIO BAPTISTA?

    Isso parece aquelas competições que o Brasil manda um time B, tipo a Copa América de 2004, que tinha até o Gustavo Nery no time. É enojante.

    Eu gosto do Michel Bastos, dá até dó do cara, ele joga de meia direita pelo Lyon, aí chega na seleção e precisa jogar de lateral esquerdo. Pra fazer isso, melhor com o Gilberto mesmo...


    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. É cara, um dos piores jogos que já vi nessa Copa. Na minha opinião, só perde para aquele Uruguai x França no primeiro dia.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. E aí Gabriel, esse jogo foi um jogo horrível, se eu estivesse assistindo em casa, certamente eu iria durmir.
    As duas equipes se defenderam muito, jogadas ofensivas foram poucas, parece que todos estavam satisfeitos com o empate.

    Uma situação a se considerar é a ausÊncia de Kaká, que não tem um substituto à altura. Ronaldinho Gaúcho seria uma boa opção na minha opinião, mas o zangado não quis...


    Abraço.
    http://esportetotalbh.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Acho que o Brasil só queria garantir a liderança do Grupo G e cuidar o físico dos jogadores.
    No entanto, Chile será perigoso pois tem um treinador excelente como Bielsa.
    Grande abraço, desde Buenos Aires!

    Argentina&Brasil Juntos

    ResponderExcluir
  5. Oi Gabriel :c)
    Pois é, eu diria melhor: COM ATUAÇÃO REALMENTE FRACA, Brasil empata com Portugal.
    ._.
    Jogo tosco, um clima hostil entre uns e amisotoso entre outros, uma confusão...
    Uma retranca espantosa de Portugal, e a aceitação quase inacreditável da seleção brasileira...
    UMA INCRIVEL BOSTA :)

    :*

    ResponderExcluir
  6. Foi sim um jogo horrivel mas ja esperava que assim fosse :S

    ResponderExcluir
  7. O futebol é um esporte fantástico nenhuma modalidade esportiva passa a mesma emoção para a sua torcida, não existe palavras para explicar a sensação que um torcedor sente ao ver um chute certeiro estufar as redes de proteção adversaria em uma final de campeonato.

    ResponderExcluir

Sejam todos bem-vindos ao Futebol Na Veia. Aqui, todos são livres para expor suas opiniões, independentemente qual seja ela, desde que elas sejam feitas com coerência e passividade. Os comentários não são moderados, então pedimos o bom senso de todos. Fiquem a vontade para comentar. Muito obrigado e voltem sempre!